segunda-feira, 1 de setembro de 2008

um grão

.
deixar o sol quase queimar o rosto
deixar acontecer... correr algum risco
o vento apaga o nosso rastro
e tudo q sobrar é resto

deixar a mão então trazer um gesto
pra q o meu discurso não fique tão gasto
sentir na boca o seu gosto
e dar de volta só o q for justo

deixar tudo onde está
correr pra te alcançar
às vezes canso
e eu não te alcanço

deixar tudo por fazer
já não importa mais
só me falta você
pra deixar minha vida no lugar
___

deixar o sol quase queimar o risco
deixar acontecer... correr algum gesto
o vento apaga o nosso gosto
e tudo q sobrar é justo

deixar tudo onde está
correr pra te alcançar
às vezes canso
e eu não te alcanço

por tudo deixar fazer
importa mais não já
só me falta você
pra deixar minha vida no lugar

2 comentários:

Silvana Bronze disse...

Deixa ser, deixa estar! deixa o verbo!

Duda Rocha disse...

e o grão sempre é regado.